29 novembro 2012

Resenha: Razão e Sensibilidade - Jane Austen


Título Original: Sense and Sensibility
Autor: Jane Austen
Editora: Landmark

Sinopse: Em "Razão e Sensibilidade", a história se estrutura em torno das irmãs Dashwood, Elinor e Marianne, que na Inglaterra dos últimos anos do século XVIII, ficam desamparadas com a morte do pai, cujas propriedades são deixadas como herança para um filho do primeiro casamento, obedecendo-se às leis inglesas. Bonitas, inteligentes e sensíveis, as irmãs Elinor e Marianne, sua mãe e sua irmã menor, Margareth, mudam-se para um chalé oferecido por um parente distante. Sem dotes a serem oferecidos para seus casamentos, Elinor, o arquétipo austeano da razão, e Marianne, o da sensibilidade, têm poucas oportunidades de conseguir um bom casamento, mas a grandeza de seus sentimentos - a sinceridade e a fidelidade do coração de ambas - se revela importante contra a hipocrisia de uma sociedade preocupada apenas com as aparências e os bens materiais.

Resenha: Razão e Sensibilidade é o terceiro livro que leio de Jane Austen e posso dizer agora que essa já se tornou uma de minhas autoras preferidas e Razão e Sensibilidade disputa lugar com Orgulho e Preconceito entre meus preferidos. Nesse livro temos a narração da história de Elionor e Marianne, as irmãs Dashwood que após a morte do pai acabam ficando desamparadas já que a herança do pai é destinada ao meio-irmão John Dashwood que é filho de uma casamento anterior. Com a ajuda de um parente distante elas se mudam para um chalé junto com a mãe e a irmã mais nova.

Jane Austen mais uma vez mostra em seus livros a contradição entre dois valores diferentes, no caso desde a razão que pertence a Elinor, uma moça bonita e inteligente que sempre analisa as situações com sagacidade chegando a conclusões totalmente racionais e a sensibilidade que pertence a jovem e bonita Marianne que deixa seus sentimentos se transporem em grande parte das situações.

Os personagens aos poucos vão aparecendo durante a história, alguns se tornam importante futuramente e outros são personagens de segundo plano, mas não são totalmente deixados de lado ganhando um certo reconhecimento no livro em determinado momento. Elionor é a personagem que mais me agrada, acho que em parte por ela ser tão racional e em parte por ela ser uma pessoa tão influente em relação as pessoas ao seu redor, mesmo sem perceber

Coronel Brandon é minha mais nova paixão, um homem bondoso e paciente que mesmo com todas as dificuldades por quais já passou mostra que independente disso ele ainda pode amar verdadeiramente. Assisti a adaptação cinematográfica antes de ler o livro portanto já sabia o que aconteceria no final, mas mesmo assim me senti ansiosa para chegar ao desfecho dessa história. Jane Austen não poderia ter finalizado melhor esse livro, certamente me agradou bastante.

A narrativa é fluída, as descrições detalhadas e como era de se esperar você se vê com vontade de estar no lugar dos personagens visitando os mesmos lugares que eles, participando de seus bailes e suas reuniões ou simplesmente estando em companhia de alguns deles.

 Talvez por eu já estar acostumada a leitura de romances históricos, ou talvez porque desde o inicio gostei bastante da narrativa da Jane Austen não senti dificuldade em acompanhar a história e para aqueles que têm receio de ler esse clássico por conta da linguagem peço que deixem isso de lado e deem uma chance ao livro, super recomendado.

21 comentários:

  1. Tô com os livros dela aqui em casa e bem ansiosa pra ler!

    ResponderExcluir
  2. Conto os dias, conto as horas para ler um livro da Jane Austen...

    Bye da Pah
    www.livrosestrelas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eu simplesmente adoro romances históricos. Adoro Jane Austen e todos os livros dela que já li.
    Não é o caso de Razão e Sensibilidade, que ainda não tive a oportunidade. Mas sei que é bom.
    Ela tem o dom de escrever belos romances, personagens adoráveis e homens encantadores (em geral).
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Então amiga, eu geralmente não gosto de ler clássicos não! hahahahaha mas tu falou tão bem desse livro na sua resenha, ele está tão bem recomendado que talvez eu possa dar uma chance sim! hahahahaah Além disso, eu gostei do enredo a história deve ser interessante! Portanto, a dica está anotada! *-*
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Que legal nathy! Eu nunca li nada de jane fato! assisti os filmes acho orgulho e preconceito muito muito muito bom! quem sabe eu leio o livro e o acho ainda melhor! ^^
    :*

    ResponderExcluir
  6. Eu gosto de romances históricos, trazem personagens interessantes, uma cultura diferente, o que me acrescenta algo sempre.
    Já tem um tempão que quero ler algo da Jane Austen, mas ainda não tive a oportunidade.
    Com certeza vou ler esse em breve!

    ResponderExcluir
  7. Já assisti ao filme diversas vezes e não me canso, rsrs.

    Talvez por isso ainda não tenha lido o livro, mas pretendo reverter esse quadro em breve, ;)

    ResponderExcluir
  8. Oii Naty!!
    Eu acho super interessante isso que você citou, que os livros delas têm como título dois sentimentos, sendo ou não opostos, e isso que os torna tão interessantes. Orgulho e Preconceito é uma obra linda, maravilhosa, não vejo a hora de ler outros livros da autora e com certeza Razão e sensibilidade será o próximo.
    Beijoo!

    ResponderExcluir
  9. Nunca li nada de Jane Austen,mas espero que isso mude logo,
    por aqui não é facil de encontrar seus livros.
    ótima resenha
    mil bjs

    ResponderExcluir
  10. Ah, Naty, é lindo esse livro, né? Também admiro mais a Elinor, mas devo confessar que sou muito mais Marianne! hahaha... Amo clássicos desde sempre e já sou mais que acostumada com a linguagem. Já li, da Jane Austen, esse, Orgulho e Preconceito e Persuasão. Apesar de gostar de todos, Persuasão é o meu preferido.

    ResponderExcluir
  11. Sempre quis ler um Jane Austen *---* só vi o filme de Orgulho e Preconceito, são uma coleção clássica e preciso incluí-los na minha estante, definitivamente! Na Bienal do livro a Martin Claret estava entregando marcadores da coleção Austen, pensa se não me acabei!
    Sua resenha está bem completa, eu não tinha nenhuma noção da história de razão e sensibilidade e agora sei que é Marianne e Elinor e quero acompanhar as irmãs desafiando uma sociedade machista e antiquada.

    Beijos
    Mari Siqueira
    htpp://loveloversblog.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Nunca li Jane Austen (vergonha de mim)... é que na verdade eu não gosto muito de ler clássicos. Só lendo sua resenha que eu fui me dar conta que realmente algumas de suas obras tem como título dois sentimentos, cada um referente a um personagem importante da obra. Vou seguir o seu conselho e adicionar esse livro na minha lista de desejados, quem sabe através dele eu não acabo com esse meu trauma com livros clássicos!

    ResponderExcluir
  13. Eu nunca Li Jane Austen.. não sei se tenho muito interesse em clássicos, mas quem sabe eu goste de ler este..parece ser muito bom!!!!!!

    ResponderExcluir
  14. Nunca li nada da Jane, fico até com vergonha disso, mas é porque acho que não iria gostar das coisas que ela escreve, as temáticas não me atraem. Nem o filme eu nunca assisti! Mas todo mundo fala tão bem... Só vejo elogios, então acho que se algum dia tiver oportunidade, irei começar a ler, só pra ver se eu não estou errada...

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Eu nunca li um romance histórico, mas acho que é por eu não gostar muito de coisas antigas, eu tenho que começar a ler perece bem interessante, gostei do livro.

    Beijos
    Saindo da realidade

    ResponderExcluir
  16. Oi Naty!
    Apesar de amar Jane Austen e ter gostado desse livro, ele não está entre meus favoritos por conta do final. Eu não gostei do final da Marianne (diferentemente de você). Apesar de ter entendido e compreendido que Jane resolveu dar às protagonistas aquilo que lhes faltava - razão para Marianne, emoção para Elinor -, eu torcia muito mais para o Willoughby por achar que o sentimento da Marianne por ele fosse mais verdadeiro. A impressão que tive foi que o desfecho dela foi levado para uma relação cômoda, e sou sempre a favor dos grandes amores, como era o que eu via dela pelo Willoughby.
    Enfim, meu favorito é Persuasão :)
    Beijão!

    ResponderExcluir
  17. Não sou muito fã de romances, mas já li Razão e Sensibilidade e confesso que amei. O livro é lindo e a escrita da jane Austen não é difícil de ser lida.
    É um dos meus romances favoritos.

    Thais Vianna
    @dathais

    ResponderExcluir
  18. Esse livro é lindo,a capa é linda,a estória emocionante,não tem como ler esse livro e não se emocionar,indico para toodos que estão a procura de um romance cheio de reviravoltas!

    http://llivroseletras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. Ai, Naty! Não gosto dos livros da Jane Austen. Não sei se sou a única, mas acho a escrita bem maçantes e as histórias bem chatas. Já tentei ler Orgulho e Preconceito mas não gostei nem um pouco. Talvez eu dê uma chance à Razão e Sensibilidade no futuro!

    Beijos
    http://enclausuradas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Oi, Naty!
    Também já li Razão e Sensibilidade e gostei muito. Faz um bom tempo que fiz a leitura, então não lembro de muitos detalhes, mas lembro que apesar de ter gostado bastante de modo geral, me decepcionei um pouco com a rapidez do final. Estava esperando tanto pra que uma coisa se concretizasse, que quando aconteceu foi tão breve que não deu nem pra sentir a emoção direito rs
    Beijos!

    ResponderExcluir
  21. o único livro da autora que li ate hoje foi Orgulho e Preconceito....
    Maus gostei bastante desse também!
    A capa é linda!

    xoxo

    ResponderExcluir

Terminou de ler o post? Aproveita para deixar seu comentário, é rapidinho! Os comentários são moderados portanto é necessário aguardar para que ele aparece por aqui. Obrigada!

Copyright © 2015 Just Books | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo